....  

 Home  |  Astronomia  |  Sistema Solar  |  Universo  |  Especiais  |  Diversos

DICIONÁRIO DE ASTRONOMIA

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z


M

Sétimo tipo espectral das estrelas segundo a classificação de Harvard. Estrelas vermelhas, com temperatura superficial média de 3.000 K.

mácula

Mancha escura na superfície do Sol ou de qualquer outro astro luminoso.

Magalhães

Em março de 1989 a espaçonave Atlantis lançou a sonda Magalhães com destino a Vênus. A sonda chegou ao seu destino um ano depois e, com seu potente radar, estabeleceu 98% do mapa de Vênus e revelou que 85% da superfície está coberta por rochas vulcânicas.

magnetosfera

A parte do espaço que rodeia um astro, onde se produzem as ações magnéticas induzidas por um núcleo metálico. Estende-se até uma distância aproximada de 10 raios terrestres e foi estudado por meio de sondas espaciais. Entre os outros planetas, comprovou-se que Mercúrio, Júpiter e Saturno a possuem. Não foram detectados campos magnéticos em Marte nem em Vênus.

magnitude

Intensidade do fluxo de radiação (por exemplo, luz) que se recebe de um astro. Substituiu o antigo termo "grandeza" na medida do brilho de um astro. Para manter certa associação com grandezas, uma menor magnitude representa um maior brilho e uma maior grandeza representa um menor brilho. A diferença de uma magnitude representa uma variação de brilho de 2,53 vezes (daí, uma diferença de três magnitudes representa uma variação de brilho maior que 16 vezes). Exemplos de algumas magnitudes:

Magnitude aparente
aproximada

Astro

-26,8

  Sol

-12,5

  Lua cheia

-4,0

  Vênus em máximo brilho

-1,5

  Sirius, a estrela mais brilhante do céu

6,0

  A estrela de brilho mais fraco que o olho humano pode perceber

magnitude absoluta

Magnitude que um astro teria se fosse colocado a uma distância de 10 parsecs. A magnitude absoluta do Sol é de 4,85 (aproximadamente o que antigamente se chamava de "estrela de quinta grandeza").

magnitude aparente

Magnitude de um astro medida com a observação, sem considerar que a medida é afetada pelas diferentes distâncias dos astros (astros mais próximos tendem a uma menor magnitude, ou seja, maior brilho). Para anular o efeito das distâncias usa-se a magnitude absoluta.

magnitude limite

A maior magnitude (o menor brilho) que um dado instrumento pode detectar.

Maia (20 Tauri)

Maia, nome grego de uma sete filhas de Atlas que formam as Plêiades.

mancha solar

manchas solaresUma área vista como uma mancha escura na fotosfera do Sol. As manchas solares são concentrações de fluxo magnético que ocorrem geralmente em grupos bipolares. Elas parecem escuras porque são mais frias que a fotosfera circundante. As manchas solares variam de 1.500 km de diâmetro a sistemas medindo 150.000 km. As manchas solares aumentam de tamanho e se tornam mais numerosas à medida que as erupções na coroa solar aumentam. Grupos de manchas solares recobrem milhões de quilômetros quadrados do Sol. Estas manchas se assemelham às células nervosas, com uma sombra central rodeada por uma leve penumbra. A penumbra é 500 graus mais fria do que a fotosfera e a sombra 1.600 graus mais fria. Estas temperaturas mais baixas permitem a formação de moléculas, e os astrônomos já detectaram gases indo da sombra para a penumbra. Os cientistas acreditam que o campo magnético do Sol, que é milhares de vezes mais forte do que o da Terra, impede que as correntes da zona radioativa cheguem à superfície. Como outros fenômenos magnéticos, as manchas solares seguem um ciclo de 11 anos. Elas raramente se formam a mais de 40 graus ou a menos de 10 graus de distância do equador solar. A maior parte dos grupos dura 10 dias. O campo magnético permanece até as manchas desaparecerem.

maré

Movimento periódico das águas do mar, pelo qual elas se elevam ou se abaixam em relação a uma referência fixa no solo. É produzido pela ação conjunta da Lua e do Sol, e, em muito menor escala, dos planetas; a sua amplitude varia para cada ponto da superfície terrestre, e as horas de máximo (preamar) e mínimo (baixa-mar) dependem fundamentalmente das posições daqueles astros.

maré clinométrica

Variação da direção da vertical em relação ao solo, provocada pela atração lunissolar.

Marfak (Teta Cassiopeiae)

Cotovelo, designação proveniente do árabe Al Marfik.

Marfik (Lambda Ophiuchi)

O Cotovelo, vocábulo árabe que indica a posição da estrela no braço do Serpentário.

Margarita (Alpha Coronae Borealis)

A Pérola, nome latino para designar a mais bela estrela da Coroa Boreal (veja Alpheca).

Marius, Simon  (1573-1624)

Astrônomo alemão que deu nome as luas "galileanas" de Júpiter. Ele e Galileo afirmaram ter descoberto essas luas e, provavelmente, o fizeram independentemente. Envolveram-se numa disputa pela prioridade de tais descobertas. Marius foi também o primeiro a observar a Nebulosa de Andrômeda com um telescópio e um dos primeiros a observar as manchas solares.

Markarb (Alpha Pegasi)

A Sela, vocábulo árabe para designar o dorso de Pegaso.

Markeb (Kappa Velorum)

O Navio, do antigo asterismo árabe situado na constelação da Vela.

Marte

MarteO quarto planeta em ordem de afastamento do Sol, e o único do sistema solar que apresenta aspectos e características análogos aos da Terra. Nitidamente menor que esta, Marte tem um diâmetro de 6.800 km, e a sua massa, deduzida da observação dos seus dois satélites, Fobos e Deimos, é 0,107 vezes a da Terra.

marés

Movimento periódico das águas do mar, pelo qual elas se elevam ou descem em relação a uma referência fixa no solo. É produzido pela ação conjunta da Lua e do Sol, e em muito menor escala, dos planetas. Sua amplitude varia para cada ponto da superfície terrestre dependendo das posições daqueles astros. As marés são mais fortes na época próxima às luas novas e cheias porque o Sol, a Lua e a Terra formam uma linha reta. As diferenças diárias nas marés variam de poucos centímetros a muitos metros, e elas dependem da fase da Lua e do formato da costa.

Mars Pathfinder

Em julho de 1997, a sonda Mars Pthfinder desceu na planície de Ares, perto do equador marciano. Para realizá-lo, soltou um paraquedas. No final da descida, inflaram-se os airbags que a protegeram do impacto com a superfície. Uma vez detidas, as bolsas de ar se esvaziaram e se retraíram. A sonda abriu então três pétalas e seus sensores começaram a trabalhar. O veículo robô Soujuner, que levava instrumentos em seu interior, desceu da sonda e deslizou pela superfície rochosa de Marte. A missão recolheu cerca de dez mil imagens durante pouco mais de um mês de trabalho com câmeras, espectrômetros e lasers.

massa

É a quantidade de matéria que contém um corpo. Não é o mesmo que seu peso; este depende da gravidade local. Assim, na Lua um ser terrestre pesa somente 1/6 do que pesa na Terra mas, por outro lado, sua massa não varia em valor absoluto.

massa solar

É a quantidade de massa no nosso Sol e corresponde a 1,99 x 1030. Ela é também a unidade na qual as massas de outras estrelas, galáxias e outros corpos celestes grandes são expressas. Um buraco negro tem algo entre um milhão a um bilhão de massas solares.

Masyn (Lambda Herculis)

Pulso, nome oriundo do árabe Mi'sam.

Matar (Eta Pegasi)

Chuva, designação proveniente da expressão árabe Al Sad al Matar, que significa a Chuva de Sorte.

Matéria Escura

Massa que forma de 90 a 99% do Universo. Os cosmologistas definiram que, para que o Universo exista, é necessário que ele seja composto por uma massa crítica de seis átomos de hidrogênio por metro cúbico. Se a quantidade fosse maior, o Universo teria desaparecido logo após o Big Bang, e se fosse menor, teria se expandido muito depressa, não permitindo a formação de estrelas e galáxias. De acordo com estes cálculos, não há matéria visível suficiente para que o Universo exista, portanto, se estas teorias estiverem corretas deve existir matéria invisível. Suporte para a teoria da existência de matéria escura é fornecida pelo seu efeito gravitacional nos objetos celestes visíveis. Por exemplo, a movimentação das estrelas distantes pode ser reduzida pelo efeito gravitacional da matéria escura. Pode ser que esta matéria exista  sob a forma de "matéria sombra", que seria a imagem refletida de nossa própria matéria e que interagiria com a nossa matéria através da gravidade. Outras explicações mais verossímeis envolvem as estrelas anãs marrons ou outras estrelas pequenas, com pouco brilho, que seriam invisíveis. Os cientistas conseguiram detectar 10% do total que deveria existir de matéria escura analisando seu efeito gravitacional na matéria visível.

máxima elongação

Máximo afastamento de um planeta inferior (Mercúrio e Vênus) em relação ao Sol. As elongações podem ser leste ou oeste quando, respectivamente, o planeta é de visibilidade vespertina ou matutina. É a melhor época para se observar um planeta inferior à olho nu. A máxima elongação de Mercúrio é 29° e a de Vênus é 49°.

máximo solar

Um máximo solar é o mais alto nível em atividade solar, ou seja, a presença de flares, proeminências, manchas solares, buracos coronais, etc. Um máximo solar ocorre entre dois mínimos solares consecutivos.

Mebsuta (Epsilon Geminorum)

A Estirada, vocábulo que, na uranografia árabe, refere-se à pata estirada do Leão.

Mecânica Celeste

Ramo da astronomia que trata do movimento e das ações recíprocas dos corpos no espaço. Os astrônomos utilizam a mecânica celeste para calcular as órbitas dos corpos celestes e das espaçonaves. A mecânica celeste surgiu quando Isaac Newton escreveu suas três leis do movimento em 1687. Ele descobriu que todos os corpos se atraem devido à força gravitacional. Utilizando a mecânica celeste os astrônomos descobriram que a órbita do cometa Halley é perturbada (alterada) por Júpiter e Saturno. Leverrier e Adams também fizeram uso da mecânica celeste para determinar a posição de Netuno, através da análise de seu efeito na órbita de Urano.

Media (Delta Sagitarii)

O Meio, nome latino que indica o meio do arco do Arqueiro que, segundo a uranografia árabe, as estrelas de Sagitário formavam.

megaparsec

Unidade de distância, equivalente a 1 milhão de parsecs, ou 3.260.000 anos-luz.

Megrez (Delta Ursae Majoris)

A Raiz, vocábulo árabe designativo do ponto de onde sai a cauda da Ursa Maior.

Meissa (Lambda Orionis)

A Cintilante, nome árabe que alude ao brilho notável desta estrela.

Mekbuda (Zeta Geminorum)

A Pata Encolhida, refere-se à pata encolhida do Leão, que os árabes imaginavam na atual constelação dos Gêmeos.

Men (Alpha Lupi)

A Ponte do Sul, nome de origem chinesa.

Menkalinam (Beta Aurigae)

O Ombro Daquele Que Tem as Rédeas, nome que, na nomenclatura árabe, refere-se ao ombro do Cocheiro.

Menkar (Alpha Ceti)

O Focinho, nome árabe que indica a posição da estrela mais brilhante do asterismo da Baleia.

Menkib (Eta Persei)

O Focinho, nome de origem árabe.

Mérak (Beta Ursae Majoris)

O Lombo da Ursa, nome árabe que indica o lombo da Ursa Maior.

Mercúrio

MercúrioPlaneta interior, o menor do sistema solar e o mais próximo do Sol, o que torna difícil observá-lo, embora seja um astro brilhante à vista desarmada, quando em configuração favorável. Tem um diâmetro 2,5 vezes menor que o da Terra e uma densidade 1,5 vez menor, e sua revolução em torno do Sol efetua-se em 88 dias. O período de rotação é igual a 59 dias aproximadamente.

meridiano

  1. Círculos que vão de norte a sul na esfera celeste.

  2. Círculo de longitude.

meridiano de Greenwich

Meridiano tomado como origem do Tempo Universal e que passa pela antiga sede do Observatório de Greenwich, na Inglaterra.

meridional

Ver austral.

Merope (23 Tauri)

Nome grego de uma das sete filhas de Atlas, que formam o aglomerado das Plêiades.

Mesarthim (Gamma Arietis)

O Ministro, proveniente do hebreu Meshatim ou Mesartim.

Messier, Charles  (1730-1817)

Charles MessierAstrônomo francês que estudou cometas. Ao pesquisar os céus à procura de cometas Messier compilou uma lista de 103 objetos nebulosos, que ele chamava de "nébuleuse sans étoile" ("nebulosidade sem estrela"), existentes no espaço com o objetivo de não confundir aglomerados estelares, galáxias e nebulosas com cometas, que era o seu objeto de pesquisa. O catálogo Messier ou Lista de Objetos Messier tem sido aumentada e agora consiste de 110 objetos que podem ser separados como 40 galáxias, 27 aglomerados abertos, 29 aglomerados globulares, 4 nebulosas planetárias, 6 nebulosas difusas, 1 resto de supernova e 3 objetos não confirmados, que foram erroneamente classificados como nebulosas por Messier.

meteorito

Fragmento de meteoroide que chegou ao solo sem ser completamente destruído em sua passagem pela atmosfera. O nome meteorito deve ser usado independente do seu tamanho, embora muito pensem que "meteorito" seja o diminutivo de "meteoro", o que não é correto. O maior meteorito encontrado no Brasil foi batizado de Bendengó, possuindo cerca de um metro e meio de comprimento e uma massa de mais de cinco toneladas.

meteoro

Fenômeno luminoso que ocorre na atmosfera terrestre proveniente do atrito de um fragmento de matéria cósmica (um meteoroide) com a atmosfera. Para a meteorologia, o termo "meteoro" refere-se a qualquer fenômeno óptico ou acústico que ocorre na atmosfera (por exemplo, uma gota de chuva é um meteoro). Popularmente os meteoros são chamados de "estrelas cadentes", e geralmente possuem um tamanho entre o de um grão de areia e o de um grão de feijão. Embora possam ser muito maiores, quanto maior, muito mais raro. Normalmente um meteoroide queima completamente antes de atingir a superfície da Terra. Caso algum pedaço chegue ao solo, passa a se chamar de meteorito, independente de seu tamanho.

meteorografia

Ramo da astronomia que estuda os meteoros.

meteoróide

Fragmento de matéria cósmica com tamanho entre o de uma molécula e de um asteroide. Ao entrar na atmosfera, o meteoroide se aquece (por causa do alto atrito do meteoroide com a atmosfera) e produz o fenômeno luminoso chamado de meteoro. Caso o meteoroide não se queime completamente na atmosfera, o pedaço que chega ao solo passa a se chamar meteorito.

Metis

MetisDos satélites de Júpiter, Metis (JXVI) é o que está mais próximo ao planeta. Ele foi descoberto em 1979/1980 por Stephen P. Synnott a partir de dados da sonda Voyager 2. Metis tem 40 km de diâmetro e está em órbita a 128.000 km de Júpiter, dentro do anel principal de Júpiter. Metis e o satélite de Júpiter vizinho a ele, Adrastéia, são provavelmente a fonte da poeira neste anel. Metis realiza uma volta completa em torno de Júpiter em 0,294780 dias terrestres, o que mostra que ele é mais rápido do que o movimento de rotação de Júpiter em torno do seu eixo.

método de Bouguer

Método proposto pelo astrônomo francês Pierre Bouguer (1698-1758) para obter-se, por extrapolação, o valor da constante solar fora da atmosfera, com base no valor obtido no solo.

Miaplacidus (Beta Carinae)

Mar Calmo, designação empregada por Burritt em sua Geografia (1856), embora em seu Atlas (1835) esteja escrito na forma Maiaplacidus. Acredita-se que este nome tenha sua primeira origem no árabe miyah (mar) e no latim placidus (calmo).

Michelson, Albert Abraham (1852-1931)

Físico americano que foi a primeira pessoa a medir o diâmetro de uma estrela que não fosse o Sol. Contudo ele é mais conhecido por suas medições acuradas da velocidade da luz e por suas experiências, em conjunto com Edward Morley, que demonstraram que a luz viaja a uma velocidade constante através do espaço.

Michelson-Morley, Experiência de

Experiência efetuada em 1887 que pretendia detectar os efeitos do éter. Antigamente acreditava-se que o espaço era preenchido por uma substância chamada éter, pois achavam que a luz precisava viajar através de um meio. Michelson e Morley conseguiram provar que a Terra não viajava através do éter, por meio da divisão de um feixe de luz e da posterior reunião do mesmo.

Mimas

MimasMimas (SI), o menor e mais interno dos satélites regulares de Saturno, foi descoberto em 1789 por W. Herschel. Mimas tem 394 km de diâmetro. Sua superfície é muito craterizada, incluindo uma enorme cratera, a cratera Herschel, que tem, aproximadamente 130 km de largura. As paredes desta cratera tem cerca de 5 km de altura e partes do seu chão podem ter, aproximadamente 10 km de profundidade. Bem no centro da cratera Herschel vemos uma montanha que se eleva a 6 km acima do chão da cratera. Mimas tem temperaturas muito baixas, -200o C. Ele está em órbita a 185.520 km de Saturno e seu período orbital é de aproximadamente 22,5 dias terrestres.

Mimosa (Beta Crucis)

Graciosa, designação moderna de origem brasileira.

mínimo solar

Um mínimo solar é o mais baixo nível de atividade solar, ou seja, existência de flares, proeminências, manchas solares, buracos coronais, etc. O mínimo solar ocorre entre dois máximos solares consecutivos.

minuto de arco, segundo de arco

Pequena divisão do grau. Um grau é formado por 60 minutos, e um minuto por 60 segundos (portanto 60 x 60 ou 3.600 segundos num grau). Estas unidades angulares não devem ser confundidas com unidades de tempo. A lua cheia está a uma distância aproximada de 30 minutos de arco (um grau e meio).

Mintaka (Delta Orionis)

A Faixa, proveniente do árabe Al Mintakah.

Mira (Omicron Ceti)

A Maravilha da Baleia, nome latino que lembra a notável variação de brilho desta estrela variável, que passa, em onze meses, de segunda à décima primeira magnitude.

Mirach (Beta Andromedae)

A Ilharga, nome árabe que se refere à parte acorrentada do corpo de Andrômeda.

Miranda

MirandaMiranda (UV) é um dos satélites de Urano e foi descoberto, em 1948, por Gerard Kuiper. Seu diâmetro é de 470 km e está em órbita a uma distância de 129.780 km de Urano e faz seu movimento orbital uma vez a cada 33,8 horas. A superfície de Miranda é marcada por enormes ranhuras e existe a possibilidade de que ele tenha sido despedaçado várias vezes (pelo menos 5 vezes) durante a sua existência.

Mirfak (Alpha Persei)

O Badalo, nome árabe que indica uma das partes da constelação quando esta é representada como um sino.

Mirzam (Beta Canis Majoris)

O Precursor Daquele Que Atravessa a Via láctea, segundo a uranografia árabe.

Mizar (Zeta Ursae Majoris)

A Brilhante, nome árabe que sugere a importância do seu brilho em relação a Alcor, com a qual forma um par visual.

montagem equatorial

Modo de se posicionar um telescópio no qual um dos eixos, chamado eixo polar, está alinhado com o eixo da Terra. Consequentemente, os efeitos da rotação da Terra podem ser facilmente corrigidos pela simples rotação do telescópio no eixo polar. Por outro lado, a montagem Azimute não cria um alinhamento com o eixo da Terra, tornando necessário mover o telescópio em dois planos para corrigir os efeitos da rotação da Terra.

Monte Olimpus

Monte OlympusSituado na superfície de Marte, esta é a maior montanha de todo o Sistema Solar. Tem uma altura de 24 quilômetros acima da planície que a circunda. Sua base tem mais do que 500 quilômetros de diâmetro e é contornado por um rochedo íngreme com 6 quilômetros de altura.

Monte Palomar

Local onde está situado o telescópio refletor de 508 cm do Observatório de Hale, próximo a San Diego.

Monte Wilson

Local onde está situado o telescópio refletor de 254 cm do Observatório de Hale, a nordeste de Los Angeles. A performance deste telescópio foi muito prejudicada pelas luzes da cidade de Los Angeles. Entre 1917 e 1957, este telescópio foi o maior do mundo. Hubble utilizou-o para encontrar provas de que o Universo está em expansão e que a Via Láctea é uma galáxia comum. Em Monte Wilson, Shapley descobriu que nosso sistema solar localiza-se a 30.000 anos-luz do centro da Via Láctea, e Baade efetuou a pesquisa que levou à diferenciação entre as populações I e II das estrelas. Hale utilizou o telescópio do Monte Wilson para explorar as manchas solares, e, atualmente, estão sendo efetuadas mais pesquisas sobre estas manchas e a atividade solar neste mesmo local. Os projetos futuros deste observatório incluem a utilização de um novo telescópio para mapear Marte e descobrir como suas tempestades de poeira iniciam e evoluem.

movimento direto

Movimento de oeste para leste através do céu. Os planetas se deslocam em movimento direto na maior parte do tempo. No instante em que o planeta passa do movimento direto para o retrógrado, ou vice-versa, diz-se que o planeta está estacionário. O inverso chama-se movimento retrógrado.

movimento diurno

Movimento aparente que todos os astros parecem descrever sobre a esfera celeste, em círculos paralelos ao equador, durante um dia sideral, e que é produzido pela rotação da Terra em torno de seu eixo.

movimento próprio

Deslocamento anual da direção heliocêntrica de uma estrela, produzido pelo movimento relativo desta e do Sol. Esta distância é tão pequena que ela é medida em segundos de arco por ano.

movimento retrógrado

Movimento de um corpo, no sentido leste/oeste, no sentido oposto ao da órbita normal dos planetas. Parte do movimento retrógrado é apenas aparente. Muitas das luas de Júpiter e Saturno, assim como a lua Tríton de Netuno, possuem órbitas retrógradas. Vênus gira do oeste para o leste, apresentando uma rotação retrógrada. Os cientistas ainda não conseguiram compreender com exatidão porque estes corpos orbitam ou giram para trás.

Muliphen (Gamrna Canis Majoris)

A Pata estirada, oriundo do árabe Al Muhlifain, que também é usado para designar Gama, Zeta e Lambda de Argos e Alfa e Beta Columbae.

Muphrid (Eta Bootis)

A Solitária do Lanceiro, designação proveniente do árabe Al Muphrid al Ramih, que indica que a estrela se encontra afastada da constelação.

Muscida (Omicron Ursae Majoris)

O Focinho, vocábulo latino para indicar a localização do focinho da Ursa.

Musim (Beta Canis Majoris)

A Mediadora, variante do vocábulo árabe Mirzam ou Mirzar.

 
Astromador - Astronomia para Amadores