....  

 Home  |  Astronomia  |  Sistema Solar  |  Universo  |  Especiais  |  Diversos

DICIONÁRIO DE ASTRONOMIA

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z


Lacaille, Nicolas Louis

Astrônomo e sacerdote francês, assistente do Observatório de Paris, com atuação exemplar no catálogo de estrelas, em ambos os hemisférios, principalmente o austral. Introduziu 14 novas constelações.

Lagrange, Joseph Louis  (1736-1813)

Matemático e astrônomo francês; fez inúmeras contribuições para o estudo da mecânica celestial. Lagrange mostrou que três corpos podem ficar nos vértices de um triângulo equilátero que gire em torno de seu plano. Se um dos corpos for suficientemente maciço em relação aos outros dois, então a configuração triangular é estável. Tais corpos são às vezes chamados de troianos. O vértice dianteiro do triângulo é conhecido como ponto dianteiro de Lagrange ou L4; o vértice traseiro é o ponto traseiro de Lagrange ou Lr.

Landsat

Seis satélites da NASA, transportando vários tipos de câmaras e sensores infravermelhos usados para pesquisar os recursos da Terra e equipados para monitorar as condições atmosféricas e oceânicas e detectar variações nos níveis de poluição.

Laplace, Pierre-Simon  (1749-1827)

Notável físico e matemático francês, ajudou a tornar precisa e convincente a adequação entre as observações astronômicas e os resultados das deduções da teoria newtoniana, reduzindo também a defasagem entre as leis do movimento planetário e a lei da gravitação.

Larissa

Larissa é um pequenino satélite de Netuno descoberto, em 1989, pela sonda espacial Voyager 2. Ele está em órbita a 73.550 km do centro de Netuno e tem dimensões aproximadas de 104 x 89 km.

laser

Nome formado pelas primeiras letras de "Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation"(Amplificação de Luz por Emissão Estimulada de Irradiação). Os lasers trabalham com o fato dos átomos absorverem apenas uma certa quantidade de luz antes de seus elétrons mudarem para um nível mais alto de energia. Quando um fóton com um determinado nível de energia brilha num átomo num estado agitado, ele pode estimular o átomo a liberar um fóton idêntico. Este segundo fóton se movimenta na mesma direção, e com a mesma energia, que o primeiro. A energia bombeada por um equipamento gerador de laser coloca os átomos num estágio de energia mais alto. Então usam-se espelhos para refletir os fótons, e a luz se torna tão intensa que escapa parcialmente através de um espelho refletor como um feixe de laser intenso.

La Superba (Gamma Canum Venaticorum)

A Sublime, nome usado pelo Padre Secchi para ressaltar o seu aspecto.

Lassell, William  (1799-1880)

William LassellAstrônomo amador inglês descobridor de Tritão, o maior satélite de Netuno em 1846. Juntamente com W. C. Bond foi o descobridor, em 1848, de Hiperion, um dos satélites de Saturno. Em 1851 Lassell descobriu Ariel, o satélite mais brilhante de Urano.

latitude

Sistema de coordenadas usado para determinar a distância angular ao norte ou ao sul do Equador. Todas as linhas da latitude são paralelas.

latitude areográfica

Latitude de um ponto na superfície do planeta Marte, em relação ao seu disco aparente.

latitude celeste ou eclíptica

Ângulo da direção de um ponto da esfera celeste com o plano da eclíptica.

latitude eclíptica geocêntrica

Latitude eclíptica de um ponto da esfera celeste, referida ao centro da Terra.

latitude galáctica

Ângulo da direção de um ponto da esfera celeste com o plano galáctico.

latitude geocêntrica

Ângulo que a reta que une o centro da Terra a um dado ponto de sua superfície faz com o plano do equador.

latitude geográfica

Ângulo que a vertical em um ponto da superfície da Terra faz com o plano do equador.

latitude heliocêntrica

Latitude de um astro referida ao centro do Sol; Latitude eclíptica heliocêntrica.

latitude heliográfica

Latitude de um ponto da superfície do Sol, referida ao seu disco aparente.

latitude norte

A latitude contada a partir do equador em direção ao pólo norte.

latitude planetocêntrica

Latitude de um astro, ou de um ponto na superfície de um planeta, em relação ao centro desse planeta.

latitude planetográfica

Latitude de um ponto na superfície de um planeta, em relação a um sistema de coordenadas ligado ao seu disco aparente.

latitude selenocêntrica

Latitude de um astro, ou de um ponto da superfície lunar, em relação ao centro da Lua.

latitude selenográfica

A latitude de um ponto da superfície lunar, em relação ao disco aparente da Lua.

latitude sul

A latitude contada a partir do equador em direção ao polo sul.

Le Verrier, Urbain Jean Joseph  (1811-1877)

Urbain Jean Joseph Le VerrierMatemático francês que, usando cálculos orbitais, fez a previsão da existência e posição de um planeta ainda não descoberto (no caso, Netuno) e que causava perturbações na órbita de Urano. Sua previsão foi a primeira a ser confirmada por Galle, embora John Couch Adams tenha feito antes, independentemente, uma previsão semelhante da existência deste novo planeta, mas não publicada.

Leavitt, Henrietta Swan (1868-1921)

Astrônomo americano que, através da utilização das estrelas variáveis das Nuvens de Magalhães, determinou que o período de pulsação das estrelas conhecidas como Variáveis Cefeu está relacionado à sua luminosidade (relação período-luminosidade).

Leda

Leda_(indicado_pela_seta)Leda (JXIII) é o nono e menor de todos os satélites de Júpiter. Foi descoberto em 1974 por C. Kowal e muito pouco sabe-se sobre ele. Leda tem 103 km de diâmetro e está em órbita a 11.094.000 km de Júpiter completando uma rotação em torno deste planeta em 238,72 dias terrestres.

Lei de Bode

Sequencia de números que corresponde à maior parte das posições planetárias. Considere os números 0, 3, 6, 12, 24, 48, 96, 192 e 384, adicione 4 a cada um deles e divida por 10. O resultado é próximo à distância, expressa em unidades astronômicas, até a maior parte dos planetas em nosso sistema solar. Na verdade o nome desta lei é equivocado, pois não foi Bode quem a criou. Um matemático alemão chamado Johann Daniel Titus a propôs em 1772 e Bode apenas a popularizou.

Lei de Hubble

É uma relação linear entre a distancia a uma galáxia (R) e a velocidade (v) na qual esta galáxia está se afastando de nós por causa da expansão do Universo. A Lei de Hubble se escreve v = Ho R, onde Ho é a constante de Hubble. Ela supõe que o universo está se expandindo a uma taxa constante que tem permanecido constante por todo o tempo.

Lei de Titius-Bode

A "lei" de Titius-Bode, também conhecida como "lei" de Bode, é uma coincidência matemática interessante e não uma lei física. Ela é uma série numérica que combina com as distâncias dos planetas ao Sol. A série de Titius-Bode prevê as posições de todos os planetas no nosso Sistema Solar exceto Netuno, embora também prognostique a existência de um planeta onde o cinturão de asteróides está. Esta relação tem este nome em homenagem a Johann Daniel Titius e o astrônomo alemão Johann Elert Bode, que fizeram este trabalho no final dos 1700.

Leis de Kepler

Também conhecidas como as Leis de Kepler do Movimento Planetário:

Primeira Lei de Kepler do Movimento Planetário

"as órbitas dos planetas em torno do Sol são elipses com o Sol situado em um dos focos desta elipse."

Segunda Lei de Kepler do Movimento Planetário

"uma linha traçada do Sol até um planeta varrerá áreas iguais em intervalos de tempo iguais à medida que o planeta realiza o seu movimento orbital em torno do Sol."

O planeta se move mais lentamente quando ele está mais afastado do Sol e se move mais rápido quando ele está mais próximo do Sol. Isto é equivalente à conservação do momentum angular.

Terceira Lei de Kepler do Movimento Planetário

"o quadrado do período da órbita de um planeta é proporcional ao cubo do semi-eixo maior da elipse orbital descrita por este planeta."

podemos escrever isto como: T2 é proporcional a a3, onde "T" é o período orbital de um planeta (seu ano) e "a" é o semi-eixo maior da elipse que ele descreve. A constante de proporcionalidade é a mesma para todos os planetas.

Leis de Newton

Lei de Newton da Gravitação Universal

"dois corpos atraem um ao outro com forças iguais e opostas. A magnitude desta força é proporcional ao produto das duas massas dos corpos e é também proporcional ao inverso do quadrado da distância entre os centros de massa dos dois corpos."

Leis de Newton do Movimento

Primeira Lei de Newton do movimento

"um corpo continua no seu estado de repouso (velocidade zero) ou de movimento retilíneo uniforme (velocidade constante) a menos que seja obrigado a mudá-lo pela ação de uma força externa."

Vemos, portanto, que esta lei se aplica apenas a corpos com velocidade constante, que pode até mesmo ser zero. Ela não é válida para corpos que estão sofrendo alguma forma de aceleração. Se não existissem as forças de atrito um corpo em movimento com velocidade constante permaneceria para sempre neste estado. A força externa aplicada é que irá alterar o seu estado de movimento.

Segunda Lei de Newton do Movimento

"se uma força de desequilíbrio age sobre um corpo, a aceleração produzida por ela é proporcional à força aplicada. A constante de proporcionalidade é a massa inercial do corpo."

Terceira Lei de Newton do Movimento

"em um sistema onde não estão presentes forças externas, toda força de ação é sempre oposta por uma reação igual e oposta."

Lemaitre, Georges  (1894-1966)

LemaitreMatemático belga que desenvolveu a Teoria do Big Bang da formação do Universo. Lemaitre, por acreditar que alguma coisa tinha que ter começado o Universo, propôs que haveria uma "partícula de espaço", o chamado "átomo primordial", que, por intermédio de uma reação em cadeia. Iniciou o processo de expansão do Universo. Pode-se dizer que esta suposição é a origem da ideia que mais tarde seria conhecida como "teoria da Grande Explosão" (teoria do Big Bang).

lente

Material transparente com pelo menos uma superfície curva que é utilizado para alterar a direção dos raios de luz. As lentes são divididas em dois tipos: convergentes e divergentes. As lentes convergentes produzem uma imagem real, enquanto as divergentes não.

lentes gravitacionais

É um objeto de grande massa no espaço, tal como uma galáxia, que curva a luz que passa próxima a ele, devido à intensidade de suas forças gravitacionais.

Leonov, Alexei Arkhipovich (1934)

Cosmonauta que foi a primeira pessoa a andar no espaço: em 18 de março de 1965, ele permaneceu 10 minutos fora da cápsula Voskhod 2. Leonov também foi o comandante soviético do Projeto de Teste Apolo-Soyuz.

Lesath (Nu Scorpii)

O Ferrão, nome árabe para designar o ferrão do Escorpião.

libração

Oscilação da Lua. Ela é provocada pelo fato do formato de sua órbita não ser perfeitamente circular, apesar da duração de sua rotação e de sua órbita serem idênticas. Uma outra libração decorre do fato da órbita da Lua apresentar uma inclinação axial de 5 graus. Embora seja sempre a mesma face da Lua que permanece voltada para a Terra, estas librações permitem que vejamos 59% de sua superfície.

limbo

Contorno luminoso de um astro.

Limite de Chandrasekhar

Uma estrela só pode existir se ela for estável, ou seja, se a pressão exercida para fora pelos processos físicos que estão ocorrendo no seu interior conseguirem contrabalançar a ação da gravidade que pretende realizar o seu colapso gravitacional. Chandrasekhar descobriu que existem limites de massa para que uma estrela, com determinadas condições físicas particulares, seja estável. Se uma estrela com estas características ultrapassa este valor de massa ela não é mais estável e a força da gravidade supera as forças internas. Como resultado a estrela colapsa.

Limite de Roche

É a distância a partir do centro de uma estrela ou outro objeto na qual um outro objeto grande colocado em órbita será rebentado devido às forças (gravitacionais) de maré. Deste modo grandes planetas ou satélites não podem estar em órbita dentro do limite de Roche pois eles se fragmentarão. O limite de Roche foi compreendido primeiro por Edouard Roche em 1848. Se um planeta e o seu satélite tem densidades idênticas, então o limite de Roche é 2.446 vezes o raio do planeta.

linha das apsides

Linha que une o apoastro ao periastro.

linha dos nodos

Intersecção do plano da órbita de um astro com um plano fundamental de referência.

Linha internacional de mudança de data

Linha convencional, que coincide aproximadamente com o antimeridiano de Greenwich, estabelecida por acordo internacional para o início da contagem de cada dia civil em toda a Terra: à medida que a linha da meia-noite avança para oeste, principia esse dia civil nas sucessivas longitudes, até alcançar novamente a linha internacional de mudança de data, quando começa novo dia. Um viajante, ao cruzar a linha internacional de mudança de data de leste para oeste, adianta de um dia a sua data; ao cruzá-la de oeste para leste, atrasa a data de um dia.

linhas do espectro

Finas linhas que são vistas quando a luz de um objeto se divide em seus componentes de comprimento de onda ou espectro. O estudos das linhas do espectro (espectroscopia) é uma das principais chaves para se entender o Universo. As informações acerca das estrelas e das galáxias são obtidas a partir das linhas do espectro. As linhas do espectro são produzidas quando um feixe de luz passa por um prisma ou por uma grade de difração. As linhas do espectro podem ser linhas de emissão brilhantes ou linhas escuras de absorção de um espectro contínuo. Algumas nebulosas apresentam linhas de emissão, enquanto quase todas as estrelas, inclusive o Sol, possuem linhas de absorção em seu espectro. A posição das linhas nos espectros de emissão corresponde às linhas que faltam no espectro de absorção. Em 1814, Joseph Fraunhofer estudou o espectro solar e identificou muitos elementos encontrados na Terra. Ele também viu as linhas de um elemento desconhecido ao qual deu o nome de hélio, derivado da palavra grega Helios que significa Sol. Os espectros dos corpos celestes localizados no espaço profundo foram estudados pela primeira vez por William Huggins e Pietro Secchi, por volta de 1860. Cada elemento emite linhas espectrais características. Elementos simples como o hidrogênio possuem apenas algumas linhas espectrais enquanto outros, mais complexos, podem ter milhares de linhas espectrais. O brilho vermelho de muitas nebulosas, que pode ser visto em fotografias, é provocado pela linha de emissão vermelha do hidrogênio. As linhas espectrais dos átomos são medidas em laboratório, e depois comparadas às linhas fotografadas nas estrelas e nas nebulosas. Assim os astrônomos podem localizar quais são os elementos que flutuam na atmosfera externa das nebulosas ou das estrelas. Os astrônomos utilizam os espectros para medir a temperatura das superfícies das estrelas. Estudos chamados de perfis analisam como as linhas aparecem num espectro contínuo. As altas temperaturas e pressões expandem as linhas e as tornam mais brilhantes em direção ao final azul do espectro. Os astrônomos utilizam estes dados para classificar as estrelas em tipos espectrais chamados O, B, A, F, G, K e M. As mais quentes, tipo O, mostram superfícies em ebulição, com 40.000 K, de cor azul brilhante, enquanto as mais frias, tipo M, apresentam uma superfície vermelha, com brilho fraco e temperatura de apenas 2.500 K. O Sol é uma estrela do tipo G, com temperatura de superfície de 5.700 K.

linhas de Fraunhofer

Veja raias de Fraunhofer.

linhas proibidas

Linhas brilhantes do espectro formadas quando os elétrons tem sua órbita  alterada. Apesar de existirem gases em volta das estrelas as linhas proibidas não podem ser produzidas na Terra devido ao lapso de tempo necessário para os elétrons deixarem suas órbitas estáveis, descerem alguns níveis de energia e produzirem as linhas. Para que as linhas proibidas se formem, é necessário que o gás seja leve. Nos gases mais densos encontrados na Terra, os elétrons são jogados de um lado para o outro e não conseguem ultrapassar as órbitas para produzir as linhas. Por isto é que as linhas proibidas são vistas apenas no espaço. Um exemplo são as linhas proibidas de oxigênio existentes em muitas nebulosas.

Lisitéia

Lisitéia (JX) é o 11o satélite de Júpiter tendo sido descoberto, em 1938, por S. Nicholson. Sabe-se muito pouco sobre Lisitéia. Ele tem 24 km de diâmetro e está em órbita a 11.720.000 km de Júpiter e realiza uma órbita em torno do planeta em 259,22 dias terrestres.

Lockyer, Sir Joseph Norman (1836-1920)

Astrônomo inglês e pioneiro da astrofísica que descobriu a existência de hélio no espectro solar. Ele também identificou e nomeou a cromosfera solar.

longitude

Sistema de coordenadas usado para de terminar a posição a leste ou oeste do meridiano principal. As linhas da longitude não são paralelas já que todas elas se originam e se encontram nos pólos. Cada 15º graus de longitude levam uma hora para girar sob o Sol.

longitude areográfica

Longitude de um ponto da superfície de Marte em relação ao disco aparente desse planeta.

longitude celeste ou eclíptica

Na esfera celeste, arco do equador compreendido entre o ponto vernal e o meridiano celeste que passa por determinado astro.

longitude do nodo ascendente

Elemento da órbita de um astro, correspondente à distância angular do ponto vernal medida no plano fundamental (eclíptica ou equador) até o ponto de interseção com o plano da órbita, em que o astro passa do hemisfério sul para o norte.

longitude do periastro

Soma do ângulo no plano fundamental, entre o ponto vernal e a linha dos nodos, e do ângulo no plano da órbita, entre a linha dos nodos e a linha dos apsides, medido na direção do movimento do astro na sua órbita.

longitude geocêntrica

Longitude eclíptica de um ponto da esfera celeste, referida ao centro da Terra; longitude eclíptica geocêntrica.

longitude heliocêntrica

Longitude eclíptica de um ponto da esfera celeste, referida ao centro do Sol; longitude eclíptica heliocêntrica.

longitude hermocêntrica

Longitude de um astro, ou de um ponto na superfície de Mercúrio, em relação ao centro desse planeta.

longitude hermográfica

Longitude de um ponto da superfície de Mercúrio, em relação ao disco aparente desse planeta.

longitude planetocêntrica

Longitude de um astro, ou de um ponto da superfície de um planeta, em relação ao centro desse planeta.

longitude planetográfica

Longitude de um ponto na superfície de um planeta, em relação a um sistema de coordenadas ligado ao disco aparente desse planeta.

longitude selenocêntrica

Longitude de um astro, ou de um ponto da superfície lunar, em relação ao centro da Lua.

longitude selenográfica

longitude de um ponto da superfície lunar, em relação ao disco aparente da Lua.

Lovell, James Arthur (1928)

Comandante da avariada nave Apolo 13, cuja aterrissagem lunar foi cancelada após a explosão de um tanque de oxigênio no módulo de serviço. Ele também foi um dos tripulantes da missão Apolo 8, a primeira espaçonave a levar seres humanos para a órbita lunar.

Lowell, Percival (1855-1916)

Astrônomo amador e homem de negócios americano que, apesar de ter se tornado conhecido pelos mapas errados que fez dos canais de Marte, estimulou a procura de um Planeta X que estaria perturbando a órbita de Netuno.

Lua

LuaA Lua é o único satélite natural da Terra. Em tamanho, a Lua é o quinto maior satélite natural do Sistema Solar. Ela está a aproximadamente 384.000 km de nós e seu movimento de translação em torno da Terra é realizado em aproximadamente um mês, ou seja, 27 dias e 8 horas. A temperatura sobre a Lua varia de -160o C a +120o C. A Lua não tem atmosfera.

lunação

Intervalo de tempo que separa duas luas novas consecutivas. Uma lunação dura 29 dias, 12 horas, 44 minutos e 2,976 segundos. Por extensão, intervalo de tempo que separa duas fases quaisquer consecutivas.

luneta

Nome comum do telescópio refrator, telescópio cuja objetiva é constituída por uma lente ou por um sistema de lentes. O termo deve-se a Galileu, que foi o primeiro a usar o instrumento para observar os astros, e um dos primeiros astros observados foi a Lua, daí "luneta".

luz anti-solar

Luminosidade difusa, muito fraca, que aparece no céu como mancha oval de cinco a oito graus de diâmetro, sobre a eclíptica, na direção oposta ao Sol.

luz cinérea

Veja luz cinzenta.

luz cinzenta

Luminosidade proveniente da luz refletida pela Terra na superfície lunar, e que se observa na região não iluminada do disco lunar, quando a Lua é visível sob a forma de um fino crescente.

luz infravermelha

Radiação eletromagnética de comprimento de onda ligeiramente maior do que o da luz visível.

luz terrestre

Luz refletida pela Terra no espaço, e que pode iluminar outros astros, especialmente a Lua.

luz ultravioleta

Radiação eletromagnética de comprimento de onda ligeiramente menor do que o da luz visível.

luz zodiacal

Luminosidade tênue que se estende na região do zodíaco, após o ocaso e antes do nascer do Sol, produzida pela reflexão da luz solar em partículas meteoríticas que se localizam próximo ao plano da eclíptica.

 
Astromador - Astronomia para Amadores